Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zurraria - Dizem-me que aqui se escrevem coisas...

Zurraria - Dizem-me que aqui se escrevem coisas...

07
Jan07

Borat: Aprender Cultura da América Para Fazer Benefício Glorioso à Nação do Cazaquistão

Pedro Guerreiro

Do amor ao ódio, Borat desperta sobre todos os quadrantes todo o tipo de sentimentos que não indiferença. Esta personagem de Sacha Baron Cohen, que remonta ao seu programa “Da Ali G Show”, da HBO, personifica um repórter cazaque que se aventura numa epopeia, augurando fazer um documentário sobre a cultura dos “US and A”, para benefício da “Gloriosa Nação do Cazaquistão”.
Borat inicia, então, o documentário no Cazaquistão, na sua aldeia natal, apresentando a família e apresentando-se a si próprio e aos seus costumes, satirizados e estupidificados.
Às tantas, já nos Estados Unidos, vislumbrando Pamela Anderson num episódio de “Baywatch”, Borat Sagdiyev esquece a missão patriótica a que se entregava, para perseguir a mais famosa nadadora salvadora do planeta, por quem se “apaixona”.
Esta perseguição resulta num conjunto de paródias aos hábitos americanos, aos preconceitos americanos e numa sucessão de episódios que têm tanto mais de divertido porque não são actuados, sendo o único actor Sacha Baron Cohen. Esta característica, de reality-movie, bem como a sua personagem de cazaque fez com que o actor e o realizador Larry Charles tivessem de lidar com alguma desconfiança.
Ainda antes das estreias se acirrava a celeuma e a expectativa em relação ao que viria a ser o “Borat: Aprender Cultura da América Para Fazer Benefício Glorioso à Nação do Cazaquistão”.
A crítica diverge. Se entre o maravilhoso e o mau gosto, kitsch puro, existem grandes diferenças? Aparentemente não. Há quem considere que Borat revolucionou a História do Cinema, da comédia, com este tipo de filme; “reality-movie”, dissemos nós, como há quem ache que Borat é só um caso incontrolado de anti-semitismo, homofobia, estupidez, e uma tentativa vergonhosa de vexar o Cazaquistão.
Mas olhar a comédia, como a vida, a preto e branco, é perder o seu melhor sumo e deixar certa moral controlar aquilo sobre que devemos rir. É crime! Décadas depois de Monty Python!
Borat parodia sempre certa cultura americana, certo preconceito americano. Esqueçam o Cazaquistão! Como o Cazaquistão podia ser o Iémen ou Portugal. Borat é uma paródia aos americanos e seus preconceitos, e meus amigos, este “Borat”, bem ou mal amado, é mesmo capaz de ser mesmo um ponto de viragem no humor, senão no cinema actual.
E Sacha Baron Cohen, - esperamos com ansiedade o próximo alter-ego – é também ele bem capaz de ser um dos melhores humoristas de sempre.

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Zurras Mail

zurraria@gmail.com

Zurraria

Para além de ocuparmos espaço na net, não fazemos mais nada...

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D