Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Seg, 04 Fev, 2008 às 18:06

Devo alertar, antes de mais, que este post não é uma iniciativa de quem o assina.
Começou por ser o Pedro Martins a avançar com a ideia de fazer uma mini-entrevista ao Valete, e foi ele quem fez o primeiro contacto para que isso sucedesse. Entre ele, eu e o Bruno Nunes, tentámos definir a pertinência das questões a colocar, e o resultado foi este.
Agradecemos desde já a extrema disponibilidade do Valete e esperamos que esta iniciativa seja pioneira de outras que se sigam.



Zurraria: Apelidaste o teu segundo trabalho de Serviço Público, nome que assenta bem, visto ter sido, de facto, o teu trabalho que mais projecção teve e que mostrou às massas como soa o rap de qualidade. Nele criticas o estado de degradação musical, ora por culpa da industria ora pela sociedade formatada aquilo que passa na tv e rádio. Não entanto não consideras que parte dessa culpa provêm de certos mc's, portugueses e internacionais, que se venderam, de certa forma, ao caminho fácil de afirmação e rentabilização? Não serão esses mesmos artistas que deturpam o hip-hop perante a sociedade?


Valete: Quando falamos do HipHop, falamos sempre dum movimento cultural, com princípios, valores e uma moral. Existe até uma "Declaração de Paz do HipHop" que estipula 18 princípios condutores da cultura. A minha ligação ao HipHop é muito natural. Existe apenas porque me identifico com os valores, que são essencialmente de PAZ, União e Igualdade. Eu identifico-me ideologicamente com a filosofia HipHop como se calhar me identifico com muitas outras. O que eu não quero é seguir cegamente ceitas, movimentos ou religiões. Apenas sigo o meu instinto. Eu sou eu antes de ser HipHop.  Muitas vezes quando te ligas muito a qualquer tipo de movimento (criado por homens, tão falíveis como tu) tornas-te fanático, ficas cego…e sem te aperceberes vais limitando a tua liberdade. Ficas só preocupado com o que HipHop é ou não é, e esqueces que o mais importante é tu seres tu. Resumindo eu serei sempre HipHop até ao dia em que isso não interferir com a minha liberdade. Por isso eu nem sequer condeno manos que "deturpam" o HipHop, porque provavelmente eles só estão a ser livres.

Antes do HipHop a minha paixão é pelo Rap. Tu podes amar rap sem te identificares com a cultura HipHop. E o que eu defendo é que rap é arte e deve ser feita com Skill.  Devemos dar espaço aos mais talentosos. E manos devem respeitar o rap como uma arte. Muitos rappers fazem uma musiquinha de amor ou de festa, sem nenhuma habilidade lírica ou poética, só mesmo para vender. Estão a desrespeitar o rap enquanto arte. São esses manos que eu condeno. Critico também a comunicação social porque dá airplay a esses inválidos. E aí sim há uma deturpação do Rap. Dá impressão ás pessoas que é um estilo musical feito por putos, deslocados, vazios e sem nenhum talento musical.

Pareceu-me que em Educação Visual, teu álbum de apresentação, tiveste um trabalho mais introspectivo onde te davas a conhecer e mostravas a tua visão do mundo. Em serviço Público já ouvi uma mensagem mais formal e política, num álbum que me soou mais maduro. O que se pode esperar de 360º?

O título do álbum tem vários sentidos. Um deles é a volta a mim mesmo. Voltar a ser eu quando eu era apenas o Keidje. Eu ajudei a alimentar muitos rótulos a meu respeito. Chamaram-me Comunista, Revolucionário, Fundamentalista do Underground. Que se foda isso tudo. 360 Graus serei eu com os meus valores, desprendido de qualquer corrente doutrinária, serei eu com as minhas certezas, inseguranças, paixões, ódios, angústias etc. Por isso será um álbum muito versátil. Será duplo, terá muita música. Vais sentir o que me preocupa, vais sentir como sofro, como me divirto, como amo, como absorvo o mundo. Será um grande manifesto de liberdade, porque eu hoje sinto-me mesmo livre, não sinto pressão de lado nenhum. Não estou ligado a nada , senão a mim mesmo. Como rapper apesar de gostar também de flows e styles, gosto principalmente que as minhas letras falem de coisas relevantes, que tenham reflexão e profundidade, mesmo que não aconteça em todos os sons, creio que esse registo será visível na maioria deles.

A política e as injustiças sociais são temas recorrentes na tua lírica. No momento em que te pomos estas questões os Estados Unidos estão a viver umas eleições primárias para decidir os candidatos ao lugar de "líder do mundo livre".
Queremos saber quem é o teu candidato favorito e se estas eleições de 2008 trarão , no teu entender, ventos de mudança para a situação política internacional.

Do mal ou menos prefiro que ganhe um Democrata. Neste caso a Hillary Clinton ou o Obama. Poderá ter alguns reflexos na política externa, porque será impossível que um "Democrata" tenha uma politica externa tão belicista como a do Bush. Haverá certamente menos mortes com um Democrata no Poder. Mas no fundo sabemos que as eleições americanas são quase simbólicas. Os estados Unidos são uma nação económica. Eles não têm uma economia a servir o estado, têm um estado a servir a economia. E qualquer Governo que seja (democrata ou republicano) existirá apenas para criar condições para que as Multinacionais e as Corporações Económicas possam prosperar. Por exemplo os estados unidos têm o maior PIB do mundo, mas estão em 9º , 10º lugar em PIB per capita. São um país riquíssimo mas têm milhões de pessoas abaixo do nível de pobreza e milhões de pessoas que por não poderem pagar um seguro de saúde, não têm direito a assistência médica apropriada. E agora com este recente "crash" serão novamente os mais necessitados a pagar. O estado social nos USA é uma falácia. O país é controlado por uma elite da alta finança. Eles é que decidem a maioria das guerras, e a maioria das acções políticas relevantes. E esta elite económica tem projectos que foram delineados desde o início do século XX e que nenhum governo americano poderá impedir. Projectos como a "Globalização". Pretendem enfraquecer o Poder dos estados para aumentar o fluxo de comércio e de transacções financeiras à escala mundial e desta forma também aproximar o mundo ao Sistema Capitalista Americano. E têm organizações como o FMI, Banco Mundial, OMC, Nato e ONU para ajudar e legitimar essa estratégia. Não vai ser um Obama que vai impedir isto.    

É do conhecimento geral que és uma pessoa atenta às constantes criações do mundo cultural. Ouvimos nas tuas músicas inúmeras referências musicais e literárias do passado e presente. O que lê, ouve e vê o Valete por estes dias?

Por estes dias estou a ler "Hegemonia ou Sobrevivência" do Chomsky, de música oiço EMC- "The Show" e Xhellaz "El Soñador Elegido" , e nos últimos tempos um primo meu chamado Ime aconselhou-me dois filmes: " A Vida dos Outros" e "Lavoura Arcaica". Marcaram-me. 2 grandes filmes.

PS: Podem ler esta mesma entrevista assim como outros textos do Valete no seu blog do myspace.


Zurraria
Para além de ocuparmos espaço na net, não fazemos mais nada...
Zurras Mail
zurraria@gmail.com
Energúmenos
Bruno Nunes
David Fernandes
João Carvalho
Nuno Costa
Pedro Guerreiro
Pedro Martins
Zurras FM
Sites Catitas
Zurros no Curral

O último zurro

Zurras FM - Foge Foge Ban...

Um belo par...

O adeus...

A morte anunciada do Fest...

Lily Allen prepara novo á...

Foto-Galeria Record

M.I.A - Paper Planes

"...if you're epileptic, ...

Dead Combo no Lux - falto...

Palha Antiga

Abril 2009

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds