13 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Qui, 26 Abr, 2007 às 21:32


Aos que me fadam grandes males:
Que sim, que eu não gosto do Cristiano Ronaldo, o melhor do Mundo (e da Inglaterra) e que eu, por não o achar, devo ser linchado, re-patriado, torturado (quase) até à morte, fazer amor com a Odete Santos e outras coisas que tais.
Esclareço:
Eu gosto do Cristiano Ronaldo. Adoro Futebol, e só por isso, não há no planeta jogador que me entusiasme mais do que o Cristiano Ronaldo. Não há muitos jogadores que, de bola no pé, nos façam sonhar e chegar a outra dimensão: Ronaldinho Gaúcho, Messi, Cristiano Ronaldo, Kaká, os bons tempos de Denilson, Djalminha, o nosso Figo, o nosso Futre, o Garrincha (outros tempos) e outros num lote que nem por isso é muito extenso.
O Cristiano Ronaldo mete o futebol nos píncaros do espectáculo. É um jogador de talento superior e dotes físicos fora do normal, esta época tem estando em grande nível e a revelar-se um dos melhores jogadores do mundo. Não o melhor, - um dos melhores.
"E não o melhor porquê?". Porque eu sou apreciador de jogadores completos.
Dirão: Mais do que o Cristiano? Certo. Fisica e tecnicamente, nenhum jogador consegue competir com Cristiano Ronaldo. Tecnicamente é capaz de fazer tudo o que outro jogador faz (e muito mais) e compete em termos de velocidade e força física com os mais dotados nessas áreas.
Em termos de jogo, inteligência táctica, falta-lhe muito.
O passado jogo com o Milan foi disso exemplo. Não defendendo, é capaz de driblar pela linha 50 metros com a bola em velocidade sem ninguém na área nem esperando por qualquer tipo de apoio. Só corre com bola nos pés, não solicitando desmarcações nem diagonais.
É um jogador que pela sua qualidade, tem (obrigatoriamente) de criar perigo cada vez que toca na bola. Actualmente, entusiasma, mas cria perigo em apenas 1/4 das jogadas em que participa e desperdiça outras tantas eminentes que poderiam dar golo mas de tanto ímpeto...
Não me interpretem mal. Não há outro jogador no mundo que mais gozo me dê ver jogar mas, nesta altura, não é ainda o melhor jogador do mundo. Está no lote, mas... a inteligência também joga e também é, a seu espaço, espectacular.
Mas é bem capaz que, em pouco tempo, desenvolva essas pechas.
E se já agora o considero dos melhores...
Mas entretanto, amigos, não há razão para tanto alarido. Se for realmente o melhor jogador do Mundo, escusam-se os títulos de jornal a anunciá-lo diariamente com opiniões de Ferguson, "A", "B" e "C". Tornar-se-á consensual pela qualidade patenteada e não por insistência dos Media.






4 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qui, 26 Abr, 2007 às 00:11

A Antena 3 faz 13 anos hoje. Parabéns à Antena 3 aqui do Zurraria.
Aqui no Zurras somos todos ouvintes da 3 diariamente, para o bem e para o mal. Cada um com os seus gostos, cada um a apreciar a 3 à sua maneira.
Na parte que me toca, e já que sou eu a escrever este post, tenho que dizer que comecei a ouvir esta rádio por falta de mais opções. Confesso que a primeira rádio que me atraiu foi a Rádio Comercial, nos seus tempos de rádio rock, em que ainda tinha alguma qualidade nos conteúdos e na playlist. Tinha o mestre Alvim nas emissões e o Markl a morder o cão, melhores argumentos que isto desconheço.
Acontece que as coisas mudam, e a Comercial não foi excepção, no caso, para pior, muito pior. Saiu o Alvim e acabou o cão para entrar a música para a malta de meia idade, não só física, como mental.
Começou aí a minha Antena 3, pelo menos a sério.
Boa música, música nova, e espantem-se, nova boa música portuguesa! Coisa rara no FM português.
Tenho a 3 em conta como o palco de lançamento da nova música que se faz no nosso país, substituindo o Júlio Isidro nessa bela mas difícil tarefa. Para além disso é uma rádio com muito e bom pessoal a fazer as emissões, com raras excepções. Já não posso com a Ana Lamy, mas pronto, se calhar sou só eu que estou farto.
Para compensar esta chaga estão lá o Alvim, o Estêvão, o Henrique Amaro e o Freitas, para não falar no Markl, na Linha Avançada do Zé Nunes e de alguns programas da madrugada e do fim de semana, onde o pessoal pode fugir à tirania da playlist e ouvir coisas diferentes.
Nota-se que a Antena 3 está a crescer com o seu público, tal como temos discutido nas aulas de Rádio, acabando por não conseguir fugir a esse fenómeno das rádios de música, esperemos que cresça com uma boa banda sonora a acompanhar.
Ainda assim é louvável o esforço da 3 na divulgação da música que se faz neste cantinho da Europa, lutando contra o conformismo que as outras rádios aparentam ter ganho com o passar do tempo. Verdadeiro serviço público é na 3, por isso foi com estranheza que soube que o provedor da rádio pública, José Nuno Martins criticou abertamente a 3 por considerar que esta não cumpre os ideais de serviço público. Estranho e revelador de alguma ignorância, digo eu. Parece-me que dedicar um dia inteiro unicamente à música portuguesa é um bom indicador de quem serve o seu público. Isto não é o mesmo que dizer que a música que passa na 3 é sempre da melhor qualidade, porque estaria a mentir descaradamente.
"Demasiado comercial" é o que dizem (e digo eu também muitas vezes) as pessoas quando são questionadas sobre o estado actual da playlist da 3. Demasiado r'nb e hip hop sem qualquer significado. Demasiada "fast-food" pop, daquela que é feita num minuto num qualquer estúdio de milhões de dólares e que ninguém se lembra passados 6 meses.
Esqueçamos todos esses dejectos musicais, porque amanhã a Antena 3 faz 13 anos.
Para comemorar, uma Quinta dos Portugueses muito especial, com treze bandas a tocar em directo para todo o Portugal. Bandas portuguesas, claro está. Começam às 9 horas da manhã e acabam às 9 da noite. Aqui fica o cartaz:

9h - Sam the Kid
10h - The Poppers
11h - OIOAI
12h - Freddy Locks
13h - Balla
14h - Fonzie
15h - More Than a Thousand
16h - Colectivo Footmovin'
17h - Micro Audio Waves
18h - Wraygunn
19h - Buraka Som Sistema
20h - Linda Martini
21h - Mundo Cão

Depois do festival vem a paródia. El Gran Alvim dirige uma Prova Oral que eu não vou perder de certeza. Diz que vai haver Gato Fedorento e Gimba, e para mim isso chega.
Depois do Dia da Liberdade, a 3 também faz a revolução com uma bela emissão sim senhora.
Não sei se já mencionei, mas a Antena 3 faz 13 anos hoje. Parabéns à Antena 3.




3 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Qua, 25 Abr, 2007 às 20:05

Vinte Cinco de Abril de Mil Novecentos e Setenta e Quatro,
Os cravos
A Liberdade
A mulher que já é pessoa,
Cidadã, imagine-se,
As colónias que
deixaram de o ser,
o saber,
Portugal aberto ao Mundo,
o Mundo aberto a Portugal,
e, no fundo,
falta cumprir-se Abril,
que vale pouco e não se faz só
do cravo na lapela.



0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qua, 25 Abr, 2007 às 15:18

as palavras já a seguir...




1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Ter, 24 Abr, 2007 às 22:12

Após o que poderia vir a ser, em tempos, uma quase certeza, aquilo que foi, no passado domingo, um facto sofrido. Ségolène Royal conseguiu, não sem despique aguerrido com o concorrente do centro, Francis Bayrou, a passagem à segunda volta das eleições presidenciais em França. Seguiram para a segunda volta Nicolas Sarkozy (quase 30%) e Ségolène Royal (aproximadamente 25%).
Francis Bayrou foi o terceiro candidato, tendo obtido quase 19% e Jean-Marie Le Pen, desta feita, não chegou a assustar, não obstante uns significativos 11%. Os restantes candidatos, maioritariamente pertencentes à esquerda radical, correspondem a uma pouco expressiva percentagem.
Ao que nos interessa a nós, portugueses, europeus, (aparte as convicções partidárias e/ou ideológicas) Ségolène será a candidata que mais nos convirá, considerando a visão europeísta de Sarkozy, que defende uma Europa centrada nas grandes potências da UE, grupo da qual nós, queiramos ou não, não fazemos parte.
A lacuna apontada à candidata Ségolène é explícito, fundamentado e mais que isso, legítimo. É uma candidata com ideias não assumidas, tentando com isso ganhar algum eleitorado quer à esquerda do PS, ao centro e até à direita, como comprovou o cântico da Marselhesa. Mas, entre as ideias não assumidas e (talvez) a falta de uma estratégia delineada para a França de Ségolène e a demagogia e a estratégia explícita de políticas de direita chegadas ao nacionalismo de Sarkozy, possivelmente ficamo-nos pela candidata socialista.
Como disse alguém já, talvez dê bom fruto, à imagem da sensibilidade de Merkel na nova Alemanha.
A verdade é que, entre um político que não gosta de portugueses e uma mulher que gosta de homens...




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de João Carvalho / Ter, 24 Abr, 2007 às 01:01

“Let’s swim to the moon,
Let’s climb through the tide
Penetrate the evenin’ that the
City sleeps to hide”

Foi assim, com poesia, que se formou uma das maiores e melhores bandas rock de sempre.
Jim Morrison recitava a Ray Manzarek o poema que mais tarde viria a ser uma das mais belas canções do grupo que em conjunto com John Densmore e Robby Krieger, e um pouco da inspiração de William Blake, viriam a chamar The Doors.
Corria já 1967 quando Jim Morrison e companhia lançam pela mão da editora Elektra o seu primeiro trabalho, criando ali mesmo parte do mito que envolve a banda desde então. O disco chama-se The Doors e com uma mistura insensata de sexo e violência com um sabor a blues, não cativou o público americano durante longos e penosos meses, até que “Light My Fire” foi completamente desprovida da sua essência e encurtada para pouco mais de dois minutos, exigências do AM, mas que ainda assim a tornaram num sucesso à escala nacional.
É também em The Doors que se encontra a música, extraordinária, que a Zurras FM vos deleita durante esta semana.
Verão de 1966 no Whisky A Go Go, bar onde actuavam há já alguns meses como banda residente, e eis que durante um concerto, diria mesmo banal, Manzarek, Densmore e Krieger ficaram boquiabertos com o que o génio de Jim Morrison foi capaz. Uma das mais suaves e tranquilas músicas da banda, The End, inspirou de tal forma Morrison, ajudada claro pelo álcool e pelas drogas, a colocar nela parte da Obra Clássica de Sófocles, O Rei Édipo, declamando como nunca “Father I want to kill you! Mother I want to fuck you!” em pleno palco.
Incompreendido o génio, os Doors foram despedidos e proibidos de voltar sequer a pisar o chão do Pub, mas para sempre fica a cabal afirmação da banda e o talento que encerrava para todo o mundo, e desde então, bem desde esse dia de Agosto no longínquo ano de 1966 até hoje é a história que conta por si só como tudo aconteceu.
Cerca de cinco anos depois, em Julho de 1971 Jim Morrison faleceu em Paris e a banda que ainda lançou dois outros discos após a morte do seu carismático líder terminou, mas o mito, esse subsiste e subsistirá para a eternidade.
The End na Zurras FM com The Doors em todo o seu esplendor e sem quaisquer censuras, porque essa palavra nunca fez parte da sua existência.
Se quiserem saber mais sobre esta mítica banda cliquem aqui e aqui




3 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Seg, 23 Abr, 2007 às 20:10

Para não variar, este post já vem com uns dias de atraso. Faz-se o que se pode, e a mais não somos obrigados, ou será que somos?
Isto para dizer que era suposto este ser um post de análise ao 300, filme de Zack Snyder baseado na obra gráfica de Frank Miller. Era suposto, mas acho que pouco mais existe para dizer de 300.
Visualmente irrepreensível, 300 é tudo o que prometia. Muito bem, talvez o argumento pudesse ter sido melhor trabalhado, tornando-se o final bastante previsível ao fim de 10 minutos de filme. Mas quem foi ver 300 não ia na expectativa de ver voltas e reviravoltas na narrativa, nem de perto nem de longe.
Aqueles que foram ver 300 sabiam muito bem o que iam ver. Afinal, um filme que tem o "povo" de Esparta como personagem colectiva nunca podia ser nada menos que um filme de guerra, neste caso com a Batalha das Termópilas como cenário.
Grande som a acompanhar as belas imagens nunca fizeram mal a nenhum filme, e 300 não é excepção. Extremamente estilizado quer no visual quer nos diálogos, tudo isso se expande durante as cenas de batalha, em que a influência da BD se sente de maneira mais visível e todos os elementos são amplificados até ao mais ínfimo pormenor.
Gerard Butler é um Leónidas que só pode ser qualificável como "do camandro", representando inteiramente os ideais Espartanos, tal como se pretende. Acho que isto fica provado nem que seja pelos míticos bitaites que o homem largou durante o filme e que já fazem parte da história do cinema, porque me parece que ninguém fica indiferente a um "Spartans! Ready your breakfast and eat hearty, for tonight we dine in hell!" ou "Spartans! Prepare for glory!" ou ainda a um "Madness? THIS IS SPARTA!".
Esqueçam os paralelismos entre os Espartanos contra os Persas e os Estados Unidos contra o Irão. Parvoíces de gente com muito tempo nas mãos, digo eu. 300 é entretenimento do mais puro que há. Há violência generalizada, sangue a pontapés, testosterona a voar no ecrã e ainda um bocadito de história ainda que modificada em pequenos pormenores.
No fundo é um filme literalmente brutal, não aconselhado à pequenada nem a malta com a mente fraquinha. Ouvistes Cho Seung-Hui? Este filme não é para ti rapaz.. pelo menos agora já não é de certeza.
Ah, só mais uma coisa. Para o pessoal pseudo-intelectual que louva o David Lynch pela sua genialidade e arrojo nos filmes, quero dizer que o Zack Snyder não lhe fica nada atrás.
Neste último filme de Lynch, Inland Empire, o senhor enfia malta vestida de coelho em três cenas diferentes, sem qualquer explicação aparente e que ele próprio se recusa a esclarecer. Para partir a cara a esse pessoal que venera o Lynch, o Zack Snyder mostra uma espécie de cabra a tocar guitarra. Toma lá e vai buscar ó Lynch!




1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de David Fernandes / Seg, 23 Abr, 2007 às 18:55

Boris Ieltsin faleceu hoje aos 76 anos. Ao que tudo indica terão sido problemas cardíacos a causa da morte.
Ieltsin foi o primeiro presidente da Rússia a ser eleito democraticamente e governou durante a transição do socialismo para o capitalismo, após a extinção da União Soviética.




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Dom, 22 Abr, 2007 às 23:57

recolhido por estes lados.




2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Dom, 22 Abr, 2007 às 15:07

Este blogue vai entrar em modo "volto já" devido a um período de reclusão dos seus membros para estudo de matérias jurídicas; (risos) (choros) - riscar a que não interessa.
Entretanto...



Em França vamos (devemos) ter segunda volta, mas a Ségolène já não deve ganhar. Estamos tristes e, perante as evidências, a torcer pelo Jean-Marie Le Pen. Somos uns galhofeiros.



0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Sex, 20 Abr, 2007 às 00:05

Começou nesta quinta-feira e prolonga-se até dia 29 a 4ª edição do Festival Internacional de Cinema Independente de Lisboa. Este ano o Indie tem muitas novidades que me deixam com inveja do pessoal residente naquela área.
Filmes interessantes, porventura uns mais que outros, criados por pessoas que contribuem cada vez mais para a liberdade no cinema. Filmam como vêem ou como querem mostrar o mundo aos outros. Filmam sobre temas que lhes agradam ou então usam o cinema para criticar o que lhes parece injusto. Coisa rara na linha de montagem de Hollywoodland, salvo raras excepções.
Sem grandes limitações nem grandes estúdios a criatividade flui directamente para a tela na sua forma mais pura.
Ao público pede-se uma mente aberta, receptiva a um cinema diferente.
Como diria alguém: "É cultura, estúpido!"
É o IndieLisboa 2007, e parece que veio para ficar por muitos e bons anos.

Mais pormenores aqui e aqui.



0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Qui, 19 Abr, 2007 às 19:39

A avaliação da cadeira de Inglês Técnico de José Sócrates bem podia ser o sketch original do Gato Fedorento sobre o processo de licenciatura do sr. engº. Aparentemente, (dados novos surgem todos os dias) a avaliação constou de um trabalho efectuado em casa pelo (então ainda) sr. José Sócrates. Esse trabalho consistia numa folha solta de tamanho A4 dactilografada, com um cartão de apresentação (chamemos-lhe assim, vá).

E já que estamos numa de suspeição, faço notar os telhados de vidro da oposição, seja lá o que "isso" for.
Aparentemente, a biografia oficial do anão - do Luis Marques Mendes - indica-o como advogado. Curiosamente, como nos indica Tiago Barbosa Ribeiro, o mesmo anão - Marques Mendes - não consta da Ordem dos Advogados.

Afinal, carisma não é a única coisa que falta ao líder - "líder", vá... - do Partido Social Democrata.

Aos senhores engenheiros que militem no partido laranja, um pouco de paciência, Santana estará para breve.




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qui, 19 Abr, 2007 às 10:00

Neste sábado que passou a TVI decidiu não apostar em nenhum filme merdoso para o inicio da tarde, como usualmente faz. Blasfémia! dirão alguns, nós aqui no zurraria aplaudimos. E aplaudimos porquê?
Em primeiro lugar porque a razão desta mudança não se deveu a nenhuma gala ou espectáculo duvidoso nem a nenhum episódio das Tardes da Júlia. Ficamos contentes por isso. Em segundo lugar, porque se ficou a dever à estreia da série Heroes num horário que se tem vindo a mostrar cada vez mais competitivo entre os três canais generalistas de maior dimensão.
Havemos de falar de Heroes numa outra altura, limitando-me por agora a saudar a sua originalidade e arrojo na abordagem a um conceito sobre e mal explorado por Hollywood.
Parece que a partir de algum momento os três canais perceberam que os espectadores estão mais exigentes nos produtos que consomem, e as séries de tv são o exemplo perfeito. No mesmo sábado passado tínhamos Prison Break na rtp1, Ugly Betty na SIC e Heroes na TVI. Tudo ao mesmo tempo. Caso raro, visto que a TVI prefere passar as melhores séries durante a madrugada, numa clara falha de programação ou como gosto de pensar sobre a TVI, numa bem sucedida acção de desinformação, se é que as séries são informação.
Chegamos assim ao assunto que conduziu a este post.
Geralmente às terças-feiras deixo o vídeo a gravar pela noite dentro a emissão da TVI com o propósito de posteriormente assistir ao episódio semanal de outra grande série que é desconhecida para a grande maioria do público português, The Shield, ou O Protector, como quiserem, também ela exilada nos confins da madrugada.
Acontece que desta vez a série de comédia exibida a seguir ao The Shield não foi o That 70's Show, como já vinha sendo tradição. Parece que para substituir esta magnífica série de comédia, também ela sub-aproveitada, a TVI começou a transmitir Arrested Development, em tradução portuguesa - "de mal a pior".
A série foi lançada em DVD há pouco tempo, sensivelmente na mesma altura que a primeira temporada do My Name is Earl, transmitido, e bem transmitido pela rtp2. Dizem as críticas que é das melhores comédias que se fazem nos US of A por estes dias, e pelos dois episódios que vi até agora não posso contrariar de maneira nenhuma este sentimento generalizado.
Pergunto-me então por que raio aproveita a TVI tão mal estas séries. Desconfio que o problema da TVI é que o dia só tem 24 horas, e 20 delas estão reservadas para as telenovelas e reality shows.
Ainda bem que temos a rtp2, digo eu. Séries de qualidade a horas de qualidade, é só o que pedimos aqui no zurras.
Pensem nisto senhores da TVI: no tempo em que transmitem um filme do Steven Seagal dava para passar dois episódios de uma das muitas séries que teimam em exilar para as madrugadas. Não sou um perito em matemática, mas desconfio que isto iria criar espaço de sobra para televisão de qualidade.
Até lá, Arrested Development nas madrugadas da TVI, suponho que semanalmente.




2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Qui, 19 Abr, 2007 às 00:20

Que o Zurraria é um blogue respeitado e conceituado toda a gente sabe. Que o Zurraria é o melhor Blogue da Blogosfera e o que há quem precise dele para viver tanto como os peixes precisam da água para respirar também, (até o Markl). O que não se sabe, e nem nós o sabíamos, é que, possivelmente, servimos de musa inspiradora às políticas de Teixeira dos Santos. (Como tal prometemos encerrar o blogue o mais brevemente possível...)

Passavam 24 minutos das 5 da tarde do dia 18 de Abril quando o Ministro das Finanças visitou o Blogue Zurraria. Em trabalho. Claro.
(clicar para ampliar e aqui para ir ter à página propriamente dita)




2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Qui, 19 Abr, 2007 às 00:13

Que o CDS-PP é o Partido mais aborrecido que existe.

- Mesmo com o cabelo do Paulo Portas;
- Mesmo sendo o partido democrata-cristão;
- Mesmo que a Maria José Nogueira Pinto possa ser, uma vez por outra - 1 vez por semana, rotineiramente -, agredida;
- Mesmo que haja um deputado de ascendência "africana" (em 6ª, talvez 7ª geração);
- Ainda que esse deputado de suposta ascendência africana possa dar uns tabefes à Zézinha;
- Ainda que seja um sonho meu ver o sr. engº Ribeiro e Castro dizer que o rock é música demoníaca;
- Ainda que haja a possibilidade do deputado de suposta ascendência africana possa zangar-se à séria com a Zézinha;
- Ainda que haja a possibilidade do deputado de suposta ascendência africana possa ser discriminado pelos restantes deputados;
- Ainda que haja a possibilidade do deputado de ascendência africana possa ser posto fora do partido;
- Ainda que haja possibilidade do deputado africana possa ser posto fora do país (por não ter visto);



2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Qua, 18 Abr, 2007 às 18:03

Queremos aqui deixar claro que o gabinete de comunicação do Ex.mo Engenheiro (ou Doutor, ou Mestre, ou Bacharel, ou senhor) José Sócrates nunca exerceu qualquer tipo de pressão sobre os membros do Zurraria de forma a que fosse mantido o silêncio acerca da temática da licenciatura (ou não) do Ex.mo Primeiro-ministro na Ex-Universidade Independente.

A propósito, quero avançar, em primeira-mão, que já tenho a casa com garagem e piscina e o Bruno diz que está muito contente com o Ford Eleanor.





2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Seg, 16 Abr, 2007 às 21:59

Pequeno apontamento apenas para dizer que já tenho agulha.
Agora venham os discos...
Como por exemplo este menino aqui ao lado.









The Who - Who's Next (1971)




1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de David Fernandes / Dom, 15 Abr, 2007 às 21:23

Corria a década de sessenta quando o mundo teve o prazer de conhecer os Pink Floyd. A banda britânica, então liderada por Syd Barrett, teve um início tímido, mas a sonoridade rock progressiva prometia uma revolução no panorama musical mundial. A promessa foi cumprida!
Passaram-se quarenta anos e muita coisa aconteceu.
Logo na primeira década (1968) Barrett, em acentuado declínio mental, foi substituído por David Gilmor e Roger Waters assumiu as rédeas da banda. O início da década seguinte marcou o abandono da sonoridade psicadélico em detrimento de um som de fusão, progressivo.
Nos anos de 1980, enquanto o mundo dançava ao som do “disco sound” os Pink Floyd faziam sucesso com The Wall, uma ópera rock, onde estava integrada a faixa homónima que ainda hoje faz parte do imaginário colectivo – quem não se recorda dos martelos a marchar ao som de “we don’t need no education…”?
1987 marca o início do fim. Gilmour e Waters têm génios incompatíveis o que ditou o afastamento deste, dos Pink Floyd. David Gilmour torna-se então o líder da banda mas o fim era inevitável. The Division Bell (1995) é o último álbum de originais da banda, já sem o baixista original, Roger Waters.

Entretanto em 2005 os Pink Floyd prendaram milhares de fãs com um concerto em Londres no Live 8, mega evento de solidariedade, organizado por Bob Geldof. Todavia, tanto Waters como Gilmour deixaram bem claro que um regresso da banda ao activo era impensável.

Os Pink Floyd ficam para a eternidade como uma das maiores bandas de sempre, tanto pelas músicas geniais e inconfundíveis como pelos concertos, verdadeiros espectáculos cénicos e pirotécnicos.

Aqui fica o nosso muito obrigado no Zurras FM com Comfortably Numb, faixa retirada de The Wall, de 1979.

A imagem apresentada é do concerto dos Pink Floyd no Estádio Alvalade, Lisboa, 1994.





2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Dom, 15 Abr, 2007 às 04:20

Eu definitivamente não sou fã de ficção científica (nem tenho óculos de aros redondos, buço, não passo 6 horas diárias em frente ao computador ou aos livros (escolares), não leio Tolkien, bebo alcóol e uma vez por outra contacto com espécimes do sexo feminino) e amigos:
O Sunshine é um excelente filme.
Do realizador de Trainspotting, Danny Boyle, surge-nos um filme de ficção científica que é muito mais que isso, - aí vem a obsessão, a morte, o inverosímil e surpreendente. Ia céptico. Tinha feedback positivo e negativo em relação ao filme. A mim, apanhou-me.
Mas este filme não vai gerar consensos. Será filme de culto para uns e um chorrilho de estupidezes para outros.
É enigmático. Deixa o espaço para a leitura das entrelinhas, leia quem quiser. Haverá quem não queira, claro!
A seu tempo, escreverei qualquer coisa mais séria a respeito.
E deixarei, talvez, crescer o buço.




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Dom, 15 Abr, 2007 às 03:43

Sorriso nos lábios.
Visualizemos Odete Santos.
Interrogatório policial. À pergunta: "quem és", o ar sonhador/ lunático/ louco de João (César Monteiro) de Deus em "Recordações da Casa amarela": Sou um(a) intelectual de esquerda!
Hoje, alguém afirmar-se intelectual é praticamente sinónimo de loucura, ao nível da clemência que Odete Santos tem pelo comunismo, por exemplo.
Odete Santos é, no entanto e apesar de tudo, das poucas pessoas que se afirma intelectual (sem o declarar) pelo seu percurso. É uma mulher devota à cultura e às pessoas - o comunismo (dela) também é isso, devoção a pessoas. É uma estudiosa.
A ingenuidade da sua devoção é uma faceta, não um defeito.
Há ano e meio, quando fui de visita à Festa do Avante, vi-a em palco e admirei-lhe a postura.
Deus sabe que ela não espanta pela sua figura, que é algo rude, avessa a maneirismos e que nem sempre desperta simpatia. Na altura não percebi o tipo de mulher que era e com que desfaçatez ia para palco, tomar lugar de actores de boa figura, eloquentes e de timbre perfeito.
Hoje percebo.
É uma intelectual! Não de esquerda; comunista - para que se não ofenda. A loucura também tomará parte, certamente. Rebelde q.b., chamou-lhe Cunhal.
O meu (se não de mais ninguém - valha-vos a fraca figura da senhora) aplauso a Odete Santos.




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Dom, 15 Abr, 2007 às 00:36

Quando a equipa do Zurraria, ou pelo menos a maioria da equipa do zurras andava às voltas para encontrar o tema ou o argumento para a curta metragem que acabámos por produzir, percebemos rapidamente que as coisas não são tão simples quanto parecem.
O que é preciso é ter uma boa ideia de partida.
E esta conversa vem a respeito do quê? Vem a respeito desta curta metragem criado pelo Will Ferrell, tipo conhecido, um dos grandes comediantes americanos dos nossos dias (na minha opinião) e por Adam Mckay, ex-argumentista do Saturday Night Live.
Ora parece que Ferrell anda a ter problemas com a renda da casa, terminando a situação num verdadeiro showdown com a senhoria. Simplesmente genial.
A provar que Ferrell sabe trabalhar o humor como poucos nos Estados-Unidos neste momento. A curta chama-se, como indica o título deste post - the Landlord.





1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Sab, 14 Abr, 2007 às 22:06

Não é preciso ser um conhecedor profundo da obra dos Gato Fedorento para conhecer o pequeno sketch em quem uma criança joga uma futebolada com Deus. Passados segundos o pai da criança chega e repreende a criança com a bela expressão secular " Joãozinho, quantas vezes já te disse que Não se brinca com Deus!".
Pois bem, parece parece que mais alguém tratou de contrariar essa ideia, levando-a mesmo a a outro nível. Agora podemos brincar com o Lúcifer, com Vlad o Empalador, com Mahatma Ghandi, com o Jack o Estripador... enfim, toda uma miríade (palavra bonita...) de figuras míticas.
Esta situação apenas podia ocorrer apenas com um desporto, obviamente o futebol. De um lado o bem. Do outro, o mal.
Pela módica quantia de 28 600 dólares vinte pessoas neste mundo podem ter acesso a uma mesa de matraquilhos muito especial. O derby não é um Benfica-Sporting, é o Bem contra o Mal (muitos dirão que é capaz de ser a mesma coisa).
A questão que se põe é esta: de que lado estarás tu?
Aqui está a constituição das equipas.
Confesso que alguns nomes me fazem confusão, mas pronto, o nepotismo anda por todo o lado...
(cliquem na imagem para ver melhor)




1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de David Fernandes / Sex, 13 Abr, 2007 às 13:16

O Centro Olga Cadaval, em Sintra, recebe hoje o World Press Cartoon. Esta iniciativa, semelhante ao World Press Photo, premeia os melhores cartoons da imprensa mundial.
As listas de candidatos contam com alguns nomes portugueses, sinal da qualidade dos cartoonistas nacionais. Aliás, muitas vezes são os cartoons o mais interessante de alguns jornais e revistas.
Os prémios são entregues logo à noite.

Para saber mais faça o favor de clicar: World Press Cartoon

Cartoon de Augusto Cid, um dos candidatos portugueses a receber um prémio esta noite no Olga Cadaval.




4 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Qui, 12 Abr, 2007 às 21:52


Hoje o Parlamento ficou mais pobre. Um (outro) asilo mental ficará mais rico.



3 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qui, 12 Abr, 2007 às 09:23

O observador da Liga que tinha por objectivo analisar a performance de Pedro Proença no Benfica x Porto escreve assim no seu relatório sobre a atitude dos espectadores:

"Os espectadores, embora por vezes ruidosos e contestando alguma decisões da equipa de arbitragem, pautaram-se por um comportamento dentro dos parâmetros da normalidade" in O Jogo

Arlindo Coimbra deverá ser muito provavelmente um habitué em cenários de guerra por esse mundo fora. Normalidade... Se calhar viu o jogo do lado de fora do estádio enquanto comia umas bifanas.



Zurraria
Para além de ocuparmos espaço na net, não fazemos mais nada...
Zurras Mail
zurraria@gmail.com
Energúmenos
Bruno Nunes
David Fernandes
João Carvalho
Nuno Costa
Pedro Guerreiro
Pedro Martins
Zurras FM
Sites Catitas
Zurros no Curral

O último zurro

Zurras FM - Foge Foge Ban...

Um belo par...

O adeus...

A morte anunciada do Fest...

Lily Allen prepara novo á...

Foto-Galeria Record

M.I.A - Paper Planes

"...if you're epileptic, ...

Dead Combo no Lux - falto...

Palha Antiga

Abril 2009

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds