0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Ter, 14 Abr, 2009 às 22:04

Para quem ainda não percebeu, este é o post que anuncia que o Zurraria já morreu. Paz à sua alma. Amén.





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Sab, 14 Jun, 2008 às 18:41

O Bandido andou fugido durante tempo demais mas valeu a pena esperar. Manuel Cruz regressou aos trabalhos publicados com um álbum que tem tudo para ser uma obra de culto. É Manuel Cruz na sua essência, é ele mesmo, caustico, experimental, irreverente. Foge Foge Bandido é mais do que um CD, são dois, O amor dá-me tesão e Não fui eu que estraguei, cada um com 40 faixas e ainda um livro ilustrado – por Manuel Cruz - de 140 páginas.

Foge Foge bandido tem muito do que Manel Cruz andou a fazer às escondidas nos últimos anos, desde ensaios caseiros, frases que não dizem muito, um som de uma motorizada que não diz absolutamente nada, uma discussão canina de 4 segundos, um minuto de silêncio e músicas como Borboleta ou Tirem o Macaco da Prisão que são de ouvir muitas e muitas vezes. É um álbum para ouvir sem parar, do princípio ao fim em duas horas certamente bem passadas.

No Zurras FM algumas amostras de Foge Foge Bandido. A destacar ainda o site do álbum com desenhos de Manel Cruz e onde pode ser vista a curta-metragem de Luís Vieira Campos “Quando eu Morrer”, da qual o “Bandido” é autor da música.

 





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Ter, 03 Jun, 2008 às 14:58

...bolas pah! Não consigo! Forgetting Sarah Marshal! É este o título do post!

Image Hosted by ImageShack.us
Mais um produto da já apelidada veia indiesca norte-americana de onde se tem destacado filmes como "Litle miss Sunshine", "Superbad" ou "Knocked up". Em comum têm um núcleo de actores/directores/produtores que em muito têm contruibuido para o melhoramento do cinema "em série" de qualidade, norte americano - não bastam as produções megalómanas de super heróis ou filmes de elevada de elevada qualidade que apenas surgem nos meses que antecedem a cerimónia dos óscares.

"Forgetting Sarah Marshal" tem, também, esse mérito, embora me pareça estar mais próximo do modelo de comédia romântica hollywoodesco, adoptando o típico modelo de rapaz abandonado pela namorada, que depois conhece um novo amor no exacto momento em que a ex-namorada se arrepende de o ter deixado - não é spoil, o filme vale mais pela comédia de situação - mas mesmo assim este filme consegue algo novo, genuinidade. E muitas vezes é isso que destingue filmes bons dos banais.

"Forgetting Sarah Marshal" tem ainda o mérito de resgatar mais um actor, Jason Segel, da bela série "Freaks and Geeks" -passou várias vezes na Sic Radical - que apesar de ter tido algumas entradas relevantes nos outros filmes já referidos, tem neste filme o seu primeiro papel de real destaque - ainda para mais num filme escrito pelo próprio.

P.S. A sala estava vazia, 3 dias após a sua estreia, num dia de fim de semana. Só devo concluir que quem teve a genialidade de "traduzir" o título do filme para português devia parar de partilhar seringas com a Amy Winehouse





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Ter, 27 Mai, 2008 às 01:52

...do jogador que mais me fez vibrar e apaixonar pelo ténis. Um jogador que, no seu melhor momento, mostrou-se implacável em todos os pisos - embora a sua especialidade tenha sido sempre a terra batida - numa época que culminou com a vitória no master de Lisboa.

Ontem em, em Roland Garros, despediu-se depois de anos cheio de lesões. Não terá terminado da melhor maneira, mas terminou certamente no melhor local...em casa! 

A foto, como é óbvio, é do mágnifico arquivo fotográfico doRecord.





1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Dom, 25 Mai, 2008 às 22:52

Porque não? Já cá não faz falta nenhuma!

[UPDATE] Pus-me a pensar se, pelo facto da canção vencedora deste ano ter sido composta e produzida pelo Timbaland, se teriamos igual sucesso com uma canção interpretada por José Cid e produzida por Timbaland ou quem sabe Neptunes! Porque não Mark Ronson?





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Ter, 20 Mai, 2008 às 02:11

Ok! Não é pela notícia, que pode surgir numa qualquer blitz ou nme, que escrevo o post. Ao ler a notícia, no site da NME, soube que a artista tinha lançado duas faixas do seu próximo trabalho, a ser lançado este ano, na sua página do MySpace e fui ouvir. Existe normalmente uma tendência, por parte dos meus amigos e conhecidos, a não se gostar do pop praticado pela Lily Allen, por este soar demasiado infantil/fantasioso - irritante às vezes -  mas é exactamente por isso que fiquei preso à cantora londrina. É um pop ritmicamente que me atrai e que contagia qualquer ambiente mas que nem por isso se mostra desprovido de mensagem. Alêm disso, é uma artista versátil, com uma (bela) queda para o hip-hop com participações de bom nível com Comon - num rap mais tradicional - e com o Dizzie Rascal - num hip-hop/garage/grimme mais modernaço - mas que também tem uma boa participação com o (actual) rei das versões Mark Ronson - na verdade em todos os casos ela nunca se desliga da sua voz de "menina da pop" mas a verdade é que soa sempre bem.

Ora ouvindo estas novas músicas pareceu-me que a "menina" tenta um "amadurecimento" sonoro demasiado forçado - e nada justificado. É uma pop que me soa a demasiado adulto e onde as suas qualidades não me parecem tão evidentes. Mas lá está, é precipitado avaliar desta forma o que ainda está para vir.

De qualquer forma, aqui fica a sua participação com o Dizzie Rascal em "Wanna be":





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Seg, 19 Mai, 2008 às 03:09

Não me canso de elogiar a secção de fotojornalismo desportivo, de extrema qualidade, que oRecordnos disponibiliza diariamente. Neste caso temos o improvável Tíui a fazer o que aparenta não saber...deu certo. No Lumiar festejou-se como se de um campeonato se tratasse. Mas, para todos os efeitos, parabéns ao Sporting!





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Qui, 15 Mai, 2008 às 01:38

À falta de posts aqui fica uma música, retirado do mais recente trabalho de M.I.A. - Kala - que causa sempre um grande impacto quer pela mensagem assumidamente política, como sempre, como pelo próprio ritmo.

De referir que nos E.U.A esta música não passou intacta pela "censura", obrigando mesmo a cantora a retirar os "disparos" do refrão por, supostamente, incentivar os ouvintes à violência. Por isso se quiserem ouvir a versão light podem fazê-lo aqui - só por curiusidade vale a pena ouvir o refrão.





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Sab, 10 Mai, 2008 às 18:06

Image Hosted by ImageShack.us

Tal como havia anunciado, na passada quinta-feira presenciei à antestreia nacional do documentário "Part of the weekend never dies". Eu que, confesso, não estou propriamente habituado a ir ao cinema ver documentários, muito menos músicas, fiquei francamente impressionado com este trabalho. Começando com a realização e na forma como Saam Farahmand conseguiu transportar totalmente para a tela a experiência de assistir a um concerto dos Soulwax. Recorrendo a um ritmo frenético de mudanças de cenas, misturando imagens de concertos com testemunhos de pessoas do ramo musical - entre os quais contavam-se nomes como James Murphy, Tiga, Justice, Nancy Whang - e de alguns espectadores de concertos, em conversas de casa de banho. Um autêntico desafio sonoro e visual para o espectador. O filme, para além de abordar os projectos dos irmãos Dewaele - Soulwax, Radio SoulWax, Nite Versions e 2many Dj's - foca-se sobretudo nos bastidores de quem vive da e na noite - e de quem se diz estar sempre em tour. Um mundo sombrio, de loucuras, excessos e muitas drogas. Tudo isso foi exposto a cru, sem filtros nem censuras.

Seguiu-se o concerto, no Lux, e a sensação foi estranha. Uma hora antes tinha estado a presenciar todo aquele universo e agora estava, de certa forma, dentro dele - imaginem verem o Lord of the Rings e depois terem a possibilidade de ir até à middle earth. O concerto foi fantástico, onde foram tocadas as principais faixas do álbum Nite Versiones, algumas do "Most of the Remixes...", sendo que para tal contribui também o ambiente do Lux e toda a sua acústica, um espaço já eleito pelos irmãos Dewaele como um dos melhores palcos do mundo para se "passar música".





1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qua, 07 Mai, 2008 às 21:06

Seis meses depois deste, a rapaziada aqui do blogue foi a outro concerto dos Dead Combo.
Festa de lançamento de Lusitânia Playboys, o último dos dois rapazes, num Lux preparado para ouvir boa música. Expectativas em alta, depois do que ouvimos em Faro e do que já tínhamos ouvido no
myspace da banda.
Não foram defraudadas, mas não ficámos completamente satisfeitos. O ambiente estava lá, a imagética esteve lá e a música também, mas ficou a faltar qualquer coisa. Faltou o oompf, se quisermos, um bocadito mais de crueza, um pouco do raw power com que tínhamos sido brindados no concerto de há seis meses.
Tó Trips e Pedro Gonçalves em modo Lusitânia Playboys apresentaram, e bem, o novo disco, desta vez com a ajuda em palco dos músicos que colaboraram na feitura da obra. Ana Quintans, Nuno Rafael, Marco Franco, Zé Vilão, João Marques, Jorge Teixeira ajudaram à festa (não posso confirmar que todas estas pessoas participaram, dado que fui roubar estes dados ao myspace deles), mas posso afirmar que a maioria esteve lá e portou-se bem, não destoando da mestria de Trips e Gonçalves.
Ouviu-se Cuba 1970, Lusitânia Playboys e Like a Drug entre outras deste novo album, mas não faltaram os clássicos que ajudaram a construir a mitologia Dead Combo, como o mítico western Mr. Eastwood, em duelo de velocidade, arte e perícia.
No título do post de há seis meses referia que mais do que um combo tinham sido um finishing move. Desta vez não posso ir tão longe porque a consciência não me deixa, mas não me interpretem mal, foi um bom concerto.
O problema é que provavelmente fomos mal habituados.





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qua, 07 Mai, 2008 às 13:12

Photobucket 

Quase tão velhos como os membros do governo cubano, os Rolling Stones ainda estão aí para as curvas, pelo menos é o que transparece de Shine a Light, filme/concerto, mais concerto do que filme, gravado pelo mestre Scorsese, também ele um fã da banda.

Gravadas as duas actuações dos Stones no Beacon Theatre em Nova Iorque, dificil seria a Scorsese fazer um mau trabalho. Pelo menos foi com essa sensação que ficámos à saída da antestreia na passada segunda-feira. Tanto eu, como o David e o Pedro, distintos membros deste blogue, chegámos à conclusão que, não fosse a banda os Rolling Stones e o filme/concerto, mais concerto do que filme, não seria muito diferente dos espectáculos gravados como se não houvesse amanhã pela restante rapaziada da indústria musical.

Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts e Ronnie Wood estão em boa forma, ou pelo menos aparentam, naquele que foi o regresso ao palcos pequenos, mais aconchegadinhos junto ao público, numa perspectiva mais intimista com as miúdas da fila da frente, o que dá sempre jeito, especialmente para quem há mais de 40 anos toca em estádios ou em praias para um milhão de pessoas.

A energia continua lá, nos riffs de Brown Sugar, Satisfaction e Start Me Up, na química entre Ronnie e Keith e na postura em palco do sr. Jagger. A alegria de tocar aparentemente ainda se mantém, pelo que não há que censurar os velhotes por continuarem a fazer tournées por esse mundo fora.

Aqui em Shine a Light sente-se pouco o dedo de Scorsese, salvo na abertura e no encerramento do espectáculo, com uma entrada e saída dejá vu pra quem está familiarizado com uns tais goodfellas. Interessante também a escolha das imagens de arquivo a entremear o prato principal, como que a lançar pequenas pitadas de sal da história dos Stones.

Quanto aos convidados especiais, dos três, (Jack White, Buddy Guy e Cristina Aguilera) dispensava-se facilmente a última, em claro overacting, se quisermos voltar à história do filme/concerto. Os outros dois simplesmente assentaram que nem uma luva, especialmente o bluesman Buddy Guy, em duelo de guitarras com Keith Richards, num dos melhores momentos de todo o concerto.

Um filme/concerto, mais concerto que filme, que merece ser visto, mesmo para quem não é fã dos Stones. Afinal, é Rolling Stones com Scorsese, quão má poderá ser a experiência?

Estreia esta semana, ide ver e apreciai.





5 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Seg, 05 Mai, 2008 às 17:15

Não podia deixar de referir o sucesso que foi o novo programa de humor da RTP, Os Contemporâneos, que conta com uma equipa de luxo para o humor mas que, acima de tudo, são na sua generalidade bons actores. De todos destaco claramente o Nuno Lopes que já mostrou, em projectos passados, a sua versatilidade e o grande actor que é mas nós já tinhamos saudades de o ver na comédia...bom regresso.
Mas os Contemporâneos tem potencial para ser muito mais, de qualquer forma tenho aqui a destacar a versão portuguesa de Burack Obama - o nosso Buraka Obama - na corrida por uma posição ao sol no ppd-psd. (versão original aqui).


P.S. porque aqui no zurras as coisas debatem-se, numa conversa mantida com o meu colega Bruno Nunes fiquei a saber que, para ele, o melhor sketch foi este. Foi de facto um bom final.



1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Nuno Costa / Seg, 05 Mai, 2008 às 01:40

O Wally, cansado da sua vida de aparecimentos fugazes decidiu meter os papéis para a reforma. O nível de dificuldade dos livros, outrora do Wally, aumentou, sendo que a nova colecção é somente para adultos - para o caso da Maddie aparecer aos bocadinhos.







2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qui, 01 Mai, 2008 às 20:27

Curta-metragem jeitosa, a que vos trago hoje. Produto do cinema brasileiro, mas no fundo uma reflexão sobre o cinema americano, o cinema tarantinesco, para ser mais preciso. Selton Mello e Seu Jorge num bate-papo acompanhado a chopinhos e batatas fritas sobre a filmografia do amigo Tarantino.  Sobre as personagens criadas por Tarantino, para ser mais preciso, e a forma como estas se entrelaçam nas várias narrativas criadas.
Conversa ao estilo "Coffee and Cigarettes" de Jim Jarmusch, como li num blogue brasileiro,
Tarantino's Mind, assim se chama a curta metragem realizada e escrita pela 300 ML e produzida da Republika Filmes.
Interessante a teoria da conspiração defendida por Selton Mello, embora os fãs do feet freak Quentin Tarantino já tivessem identificado as semelhanças e os pequenos pormenores que ligam umas personagens às outras. A curta é de 2006, segundo sei, pelo que poderá ser conhecida de muita gente.


"Selton resolve revelar uma tese sobre o diretor americano, em que todos os personagens criados por ele têm uma ligação em seus vários filmes. A Noiva de Uma Thurman, por exemplo, é a mesma louca de Pulp Fiction. Lembram quando Vincent Vega (John Travolta) pergunta sobre o trabalho dela? "Facas", responde Uma. E em que A Noiva é especializada? Facas!" link





3 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Qui, 01 Mai, 2008 às 00:10

Já garanti o meu lugar para a estreia do documentário "Part of the Weekend Never Dies", a realizar-se no dia 8 de Maio (quinta-feira) que relata o backstage da banda belga Soulwax, encabeçados pelo colectivo 2manydjs. Confesso que há já algum tempo que andava para os ver e a possibilidade de assistir tanto à actuação como ao documentário deixa-me de certa forma ansioso para que o dia chegue. Alguém alinha num cordão humano por eles?


Update 02/05/08:

Na próxima quinta-feira (dia 8 de Maio) vai ser exibido às 22h no Cinema São Jorge o documentário “Part of the weekend never dies” que, em principio, contará com a presença dos membros da banda. De seguida, no Lux, é que se vai realizar esse concerto da banda juntamente com algumas actuações de outros Dj’s Belgas. Aquilo a que eu chamo uma noite em cheio. O preço para tudo isto (Cinema + Transporte entre Cinema São Jorge e Lux + concerto) é de 25 euros. Os bilhetes estão à venda na loja de discos Flur (situada nos armazéns ao lado do Lux).
O trailer é este:





32 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Seg, 28 Abr, 2008 às 13:08

Há quem grite pela liberdade e há quem faça isto:



Nada contra, ok! Os tipos até usam uns óculos porreiros e tudo. E gravatas! Mas cordão humano?

O fanatismo nunca fez bem a ninguem, e não quero estar para aqui a especular sobre as escolhas sexuais dos rapazes nem dizer o quanto odeio ou adoro a música deles. Apenas dizer que há limites.

Já agora aproveitar para partilhar um comentário feito num post - polémico do David - que ainda hoje gera comentários de um jovem de 19 anos, que se diz possuidor de uma heterosexualidade a rondar a taxa dos 100% e que - palpite meu - utiliza telemóveis dentro das salas de aulas e anda às turras com professoras. O comentário diz mais ou menos isto:

"épá...pessoal..eu tenho 19 anos e sou hetero a 100%(ja sei que vao começar com piadas) e gosto de 5ou 6 musicas dos bsb...qual é o strees????fdx...eu oiço metalica,mariza,hip-hop portugues....qual é o strees????o pessoal é que parece que são como as mulas...."Nao!!!eu sou gotico!!!!so posso ouvir isto!!!" "neps broo,sou dread mrother froker so oiço hip-hop tuga tax a ver" sao PATETICOS!!!!! conforme o meu estado de espirito é o que eu oiço....o pessoal que diz que d´zrt,bsb,excesso nao presta(sem estar a referir a sual qualidade(boa ou ma) musical) sé tem uma coisa!!!inveja...sabem porque???porque esses gajos tem o que os criticos queriam.....raparigas aos moitoes a traz deles....falam mal porque querem ser maxoes...."ai e tal...sou maxao nao posso houvir boys bands nem musicas sentimentais senao inda pensam que sou homosexual" fdx....queiram ou nao é assim que isto funciona.....e o pessoal nao passa disto....agr que existe efectivamente grupos que n valem um xavo...á isso há....mas n vou referir nomes....(tokio hotel) =D"

Num português à frente do seu tempo, este jovem - dono de um gosto musical eclético capaz de fazer inveja a Nuno Costa - começa por criticar o David, e a malta cá do zurras, por termos criticado os Backstreet boys e por, supostamente, não sabermos aceitar os gostos das outras pessoas e acaba dizendo "
gr que existe efectivamente grupos que n valem um xavo...á isso há....mas n vou referir nomes....(tokio hotel)" ...Então jovem no que ficamos?

Já agora um apelo, ao pessoal do bsb Portugal que partilhe fotos do cordão humano. fiquei com curiusidade.

Viva a liberdade!




0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Seg, 28 Abr, 2008 às 02:08

Ironia:

A ironia é um instrumento de literatura ou de retórica que consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa, deixando entender uma distância intencional entre aquilo que dizemos e aquilo que realmente pensamos.

Na Literatura, a ironia é a arte de gozar com alguém ou de alguma coisa, com vista a obter uma reacção do leitor, ouvinte ou interlocutor.

Ela pode ser utilizada, entre outras formas, com o objectivo de denunciar, de criticar ou de censurar algo. Para tal, o locutor descreve a realidade com termos aparentemente valorizantes, mas com a finalidade de desvalorizar. A ironia convida o leitor ou o ouvinte, a ser activo durante a leitura, para reflectir sobre o tema e escolher uma determinada posição.

definição retirada da wikipedia.org

 

Exemplo de ironia:"Metallica have hinted that they are considering releasing music in the style of Radiohead and Nine Inch Nails, who recently gave away material free online." fonte: nme.org

ironia, ai a ironia...





4 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Guerreiro / Qua, 23 Abr, 2008 às 01:59

Segundo se podia ler na caixa de comentários de um artigo do PÚBLICO.

 

"Ninguém terá tanto sucesso em Portugal como o Benfica".
"Projecto do Benfica está a assustar muita gente".
"Depois do Verão, seremos o maior clube do mundo".
"Queremos ser campeões europeus".
"Dentro de 3 anos o Benfica será o maior do mundo".
"O Benfica será mais forte que o Real Madrid".
"Os benfiquistas sabem que iniciámos um novo ciclo em Dezembro e esse ciclo é para continuar".
"Vamos continuar a surpreender muita gente com alguns resultados que muita gente não espera".





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Sex, 18 Abr, 2008 às 13:00

Está disponivel neste site, o concerto dos Macacos do Chines que eu e o Pedro Guerreiro assistimos no Cabaret Maxime - somos os tipos sentados ao canto inferior direito. Autentico serviço público para quem não foi, porque não pode ou porque "ah e tal estou muito cansado, o dia de hoje foi lixado, vou antes à fnac..."



0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Sex, 18 Abr, 2008 às 01:21

Gosto de pensar, enquanto oiço "A south Bronx Story ", que, na meu profundo desconhecimento, presencio uma boa parte do melhor funk alguma vez praticado. Funk nova-iorquino , claro está.
É um estilo que me tem suscitado grande curiosidade , ultimamente, principalmente após ter descoberto algumas compilações, editadas pela Soul Jazz Records , de onde se destacam alguns dos melhores trabalhos no funk e disco-dance, da cena, nova-iorquina na década de 80 e 90. Nomes como Defunkt e James Blood Ulmer , entre outros, foram nomes que me chamaram à atenção.

Isto num estilo indefinido, porque é funk, mas não só. Cada grupo destaca-se pelo rumo que segue, alguns mais jazzisticos , outros mais para o Hip-hop e Soul - onde também se ouve algumas influências d&b - sem nunca esquecer os ritmos do velho continente. Há também quem tudo misture, resultando num kaleidóscopio sonoro pouco estético - o que justifica um pouco o nome das compilações, "New York Noise" - que desafia todas as barreiras musicas alguma vez impostas.

ESG é, no meio de alguns dos nomes apresentados pela Soul Jazz Records , aquele a que podemos chamar mais formais. Um formalismo que lhes fica bem. Extremamente contagiante. Ora vejam:





0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Dom, 13 Abr, 2008 às 01:25

...para se saber que estaria diante de uma peça que prometia. Com o carimbo da ACTA que cada vez mais se vai afirmando, fora do contexto algarvio, e com dois actores - autênticos pesos pesados - Luís Vicente e Paulo Matos aliciou-me à partida. O preço esse, era "municipal" e o público agradece - 5€ não deve ser entrave para se ir ao Teatro.

"Nada do outro Mundo" divide-se em duas peças distintas, separada pelo intervalo, que tenta à partida inovar - pelos meios que dispunham - dividindo a plateia em duas partes, duas margens. No meio estava, numa primeira parte, uma ponte, como qualquer outra, onde o desespero de um homem que, sem nenhuma razão em particular, decidia por fim à sua vida - dado o facto de não saber responder às questões bases da vida, aquelas que nos fazem sentir a vida e querer vive-la - e viu a sua intenção ser interrompida por um jornalista, desajeitado e desesperado, que pretendia reportar aquele momento, aquela tragédia, e fazer disso capa de jornal. No fundo tenta retratar alguma imprensa, dita sensasionalista, que assenta na espetacularidade e com indiferença pelo rigor. Ao longo desta primeira parte somos confrontados com um conjunto de questões que perturbadoras, que ganham maior intensidade com o avançar da acção.

Foto do Observatório do Algarve
foto retirada do Observatório do Algarve

Numa segunda parte, numa qualquer rua num qualquer bairro, assistimos a uma "caricatura" do preconceito, sob forma de um segurança de bairro que procurava toda e qualquer motivo para incriminar um pobre sujeito que simplesmente decidira sair à rua para espairecer a cabeça. Sem motivos aparentes, de caçadeira em riste e com uma fúria inexplicável, o segurança agride e enxovalha o sugeito, simplesmente porque sim, porque aquela hora uma pessoa, para estar sozinha e sem rumo, ou é "preto ou então é maricas ".

As peças possuem, para além da componente dramática, uma componente humorística muito forte, não só proveniente do texto mas, também, da expressividade levada a cabo pelos actores. Vale a pena a ida ao teatro, que vai andar por outras salas do Algarve, mesmo que seja por "Nada do outro Mundo".



1 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Ter, 08 Abr, 2008 às 22:49

Muito do melhor do pop que tenho ouvido ultimamente está nestes dois videos:


No primeiro clip, ouve-se "She's so lovely" dos britanicos Scounting for girls, que acabo de descobrir, há um par de horas, graças à magia do Last.fm.

No segundo, ouvimos "Death to Los Campesinos", dos irlandeses Los Campesinos, que descobri através do blog Os Novos Pornógrafos, e o qual descrevi um dia, durante uma conversa com outro membro deste blog, como sendo o "pop mais refresquante que tenho ouvido, nos últimos tempos"... e de facto é. Um pop electrónico, algo minimalista, com a conjunção vocal entre o "casal" de vocalistas que resulta em algo muito particular e que, de certa forma, ajuda a diferenciar o pop[-electrónico] que praticam.



0 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Pedro Martins / Dom, 06 Abr, 2008 às 11:21

Parece que os Radiohead fazem questão de assumir esta postura de permanente inovação, no panorama musical - afinal de contas é melhor ser quem dita as regras da industria do ser aquele que as segue. Prova disso foi o lançamento do w.a.s.t.e. central, uma rede social que corre sobre a framework Ning, onde os fãs e membros da rede poderão partilhar imagens, músicas e remixes, videos e fazer os seus posts de material da banda. Haverá também sub-grupos para cada tour. No fundo trata-se de uma tentativa de não são aproximar  (mais ainda) os fãs da banda mas, principalmente, os fãs entre eles - os Radiohead já perceberam que para continuar a dar frutos numa industria musical em crise, é importante a existência de um grupo coeso, e que para tal é importante acompanhar a "linguagem" destes.

Um hi5 aos Radiohead.



3 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de David Fernandes / Sab, 05 Abr, 2008 às 23:35


Eis a grande vencedora da oitava edição do prémio de fotojornalismo BES/Visão.
O fotógrafo Augusto Brázia captou este momento a bordo de uma ambulância do INEM. A jovem de 19 anos estava a caminho do hospital após o seu terceiro filho ter nascido em casa.
Jean-François Leroy, presidente do júri do concurso considera esta fotografia de "algo mesmo novo", o que lhe valeu a distinção.

Galeria de Premiados




2 seres zurraram ALTO!  Zurrar!Pelo génio de Bruno Nunes / Qua, 02 Abr, 2008 às 22:33


Dylan só há um, o Bob e mais nenhum. Raciocínio óbvio à primeira vista, especialmente se tomarmos em linha de conta a imutabilidade da maioria das pessoas ao longo da vida. Meliantes que vivem a vida sempre na mesma zona cinzenta, monótona e monocromática, composta apenas por uma camada representativa da personalidade.
O problema é que Robert Zimmerman nunca foi uma pessoa normal. As setes personagens representadas em I'm Not There são as faces que Dylan apresentou ao mundo ao longo da sua vida ao resto do mundo, qual máscara da comédia e tragédia grega.
Todd Haynes arriscou quando partiu para a produção deste filme, não se rendendo à estrutura pré-fabricada dos biopics que Hollywood tem produzido nos últimos anos. Obteve a benção de Dylan himself para que o projecto fosse para a frente e, no meu entender, safou-se bastante bem.
Com uma espécie de subtítulo revelador, "inspired by the music and many lives of Bob Dylan", I'm Not There (Não Estou Aí) revela-se  tal e qual epopeia de um camaleão poeta.
De todos os Dylans (Ben Whishaw, Christian Bale, Cate Blanchett, Richard Gere, Marcus Carl Franklin e Heath Ledger), não há como fugir ao Jude Quinn de Blanchett, mais Dylan que o próprio Dylan, se é que todas as projecções de Dylan não são mais do ícone do que do homem. Não esqueço também o Arthur Rimbaud de Ben Whishaw, o anarquista do grupo, poeta e revolucionário, lançando petardos verbais como "I accept chaos. I don't know whether it accepts me."
É óbvio que para compreender I'm Not There (Não Estou Aí) é necessário possuir algum domínio, mesmo que mínimo, do universo de Bob Dylan, caso contrário pode instalar-se alguma confusão e consequente dificuldade na assimilação do conceito e transposição entre os vários Dylans, ficando do lado de fora do caos aparente.
Em suma, gostei bastante de I'm Not There, se é que ainda não se tinha notado. Um filme importante para a compreensão do mito e do homem Bob Dylan, complementando com perfeição o documentário No Direction Home de Scorsese e o Don't Look Back de D.A. Pennebaker. Para quem gosta de Dylan, a não perder, definitivamente. Absolutamente obrigatório, diria mesmo.



Zurraria
Para além de ocuparmos espaço na net, não fazemos mais nada...
Zurras Mail
zurraria@gmail.com
Energúmenos
Bruno Nunes
David Fernandes
João Carvalho
Nuno Costa
Pedro Guerreiro
Pedro Martins
Zurras FM
Sites Catitas
Zurros no Curral

O último zurro

Zurras FM - Foge Foge Ban...

Um belo par...

O adeus...

A morte anunciada do Fest...

Lily Allen prepara novo á...

Foto-Galeria Record

M.I.A - Paper Planes

"...if you're epileptic, ...

Dead Combo no Lux - falto...

Palha Antiga

Abril 2009

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds